Arquivo mensal: junho 2017

Atenção!! Projeto VentreCine que reúne dança e video já esta em andamento! Se inscreva! Ainda dá tempo!

Padrão

Segue o primeiro vídeo do VentreCine

O que é o Projeto VentreCine?
O projeto VentreCine é um convite ao aprendizado e ao compartilhamento de experiências femininas através da Dança do Ventre. Numa parceria entre a professora Eliana Mônaco e a pesquisadora Érica Giesbrecht, o projeto consiste em aulas semanais de dança acrescidas de rodas de conversa e troca de impressões e experiências entre as participantes.  Trata-se de um laboratório de pesquisa, que oferecerá dados etnográficos ao pós-doutorado de Érica (Unicamp/Usp). O projeto deverá ser filmado para posterior produção cinematográfica não comercial. Convidamos assim mulheres de qualquer idade, com ou sem experiência em dança, a colaborar conosco.
Informações práticas:
Início: 06 abril
Inscrições: ventrecine@gmail.com ou por mensagem a esta página (no link do facebook)Horário de curso: quintas feiras, das 19:00 às 21:00.
Local: Rua Barreto Leme, 918, Centro, Campinas.
Investimento Simbólico: R$ 35,00

Sobre nós:
Eliana Mônaco é jornalista e professora de dança do ventre há 20 anos. Vêm se dedicando a pesquisa da cultura e das implicações da dança do ventre na vida das mulheres, tendo lançado o vídeo-documentário “A dança oriental e seu ressurgimento na sociedade moderna” (1999), que faz uma critica à abordagem da mídia sobre essa arte. É aluna especial do Instituto de Artes da Unicamp, tendo cursado várias disciplinas e participado de pesquisas artísticas. Fez parte, por 5 anos, do projeto de dança contemporânea e improvisação estruturada de Juliana Passos. Ministrou, por 5 anos, oficinas de dança contemporânea na Casa do Lago – Unicamp, no projeto de extensão da universidade. Em 2006 /2007 foi capa da Revista Veja – Melhores de 2006/2007 – e recebeu o titulo de “Embaixadora da arte da dança do ventre” em Campinas.
Erica Giesbrecht é etnomusicóloga e há mais de 10 anos vêm se dedicando ao estudo da vida musical da comunidade negra no interior de São Paulo. Nos últimos anos, aproximou sua experiência numa antropologia sonora à uma antropologia visual, resultando deste trabalho seu primeiro longa-metragem, o documentário “Baile para Matar Saudades” (2015). Tem profundo interesse em ampliar sua experiência como realizadora de filmes, lançando-se agora a pesquisar a dança do ventre e suas praticantes.

vídeo do VentreCine – Dança e Compartilhamento!